GIULIETTO CHIESA

WWIII

CROATIAN  ENGLISH   ESPAÑOL  GREEK  NEDERLANDS  POLSKI  PORTUGUÊS EU   PORTUGUÊS BR  ROMANIAN  РУССКИЙ

What part will your country play in World War III?

By Larry Romanoff, May 27, 2021

 

The true origins of the two World Wars have been deleted from all our history books and replaced with mythology. Neither War was started (or desired) by Germany, but both at the instigation of a group of European Zionist Jews with the stated intent of the total destruction of Germany. The documentation is overwhelming and the evidence undeniable. (1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) (10) (11)

         Read More

BRUTALITY

BRUTALITY IN ACTION

AND NO ONE REACTS AGAINST AND OPPOSES IT!!!....

BRUTALIDADE EM ACÇÃO

E NINGUÉM REAJE CONTRA ELA E SE OPÕE!!!...

https://twitter.com/backtolife_2023/status/1589485984361873408?s=20&t=7vdffgzpUFi2yeU4FxCHng

 



Saturday, April 28, 2018

PT -- GUERRA NUCLEAR: 4.5 A reorientação estratégica da NATO

MANLIO DINUCCI

“Copyright Zambon Editore”


GUERRA NUCLEAR
O DIA ANTERIOR
De Hiroshima até hoje:
Quem e como nos conduzem à catástrofe


4.5  A reorientação estratégica da NATO

Enquanto a elite de Washington celebra a grande vitória descrita na guerra do Golfo, no entanto, acontece que está preocupada: «No plano político – sublinha a Casa Branca na National Security Strategy 1991 – é o papel da América como líder da Aliança e, com efeito, as nossas próprias alianças serão influenciadas, especialmente na Europa, pela redução da ameaça soviética. [...] As diferenças entre os aliados tornar-se-ão, provavelmente, mais evidentes, à medida que diminuir a tradicional preocupação com a segurança que os uniu no início». Por outras palavras: a seguir à «redução da ameaça soviética», os aliados europeus poderão fazer escolhas diferentes das opções dos Estados Unidos, colocando em discussão a sua liderança ou mesmo saindo da NATO, praticamente superada, pela nova situação geopolítica surgida na região europeia.

Assim, para os Estados Unidos, é da máxima urgência, redefinir não só a estratégia, mas a própria responsabilidade da NATO. Debaixo da pressão crescente exercida por Washington, a NATO começa a orientar-se para uma nova incumbência, logo após a «queda do Muro de Berlim», mesmo antes do Pacto de Varsóvia e da União Soviética se dissolverem.

«Quando falamos de redução da ameaça à segurança da Aliança, compreendida no sentido clássico -  defende Manfred Wörner, Secretário Geral da NATO – não devemos descurar a importância crescente dos desafios provenientes do exterior da zona coberta pela nossa Aliança: como revelou a crise do Golfo Pérsico, podem ser originados riscos, novos e importantes, em sectores inesperados. [...] A tendência ao desarmamento e a redução das quantias para a defesa, no mundo industrializado, aumentou a importância de muitos arsenais militares do terceiro mundo que, como no caso do Iraque, assumiram uma dimensão global. Estes arsenais compreendem, cada vez mais, armas de destruição em massa, susceptíveis de ser empregadas directamente, no território da Aliança Atlântica ou para exercer pressão sobre os nossos interesses. [...] Ao longo de todo o perímetro meridional do nosso território, vai-se desenvolvendo um arco de tensões que se prolonga, dentro de certos limites, do Magreb ao Médio Oriente. As tensões são exacerbadas, não apenas pela persistência no poder de governantes absolutos e ambiciosos, como Saddam Hussein, mas também pela queda dos problemas de desenvolvimento profundamente enraizados, alimentados pela expansão demográfica, pelas migrações, pelos conflitos pela posse dos recursos, pelo fundamentalismo religioso e pelo terrorismo. Por estes motivos, hoje menos do que nunca, podemos considerar a segurança da Aliança como qualquer coisa que termina nas nossas fronteiras, ou que diz respeito, unicamente, aos aliados que têm restrições particulares nessas regiões. Assim, define-se o conceito de segurança como algo que não está circunscrito à área norte atlântica, começando a delinear a «Grande NATO».

A prova final é a guerra do Golfo de 1991: a NATO, embora não participando como tal, fornece o apoio de toda a sua infra-estrutura às forças da coligação, 10 % das quais é constituída por tropas convidadas  dos membros individuais da Aliança. Participando nos bombardeamentos, juntamente com os Estados Unidos, as forças aéreas e navais britânicas, francesas, italianas, gregas, espanholas, portuguesas, belgas, holandesas, finlandesas, norueguesas e canadianas, enquanto as forças britânicas e francesas apoiam as dos Estados Unidos na ofensiva terrestre.

Em 7 de Novembro de 1991, os Chefes Estado e de Governo dos dezasseis países da NATO, reunidos em Roma, no Conselho Norte Atlântico, aprovam e lançam «O novo conceito estratégico da Aliança». Assim, se de um lado «desaparece a ameaça monolítica, maciça e potencialmente imediata, que tem sido a principal preocupação da Aliança nos seus primeiros quarenta anos – afirma o documento – por outro lado, permanece muita incerteza sobre o futuro e sobre os riscos para a segurança da Aliança. [...] Contrariamente à ameaça do passado, os riscos que permanecem para a segurança da Aliança são de natureza multifacetada e multi-direccional, coisa que os torna difíceis de prever e de avaliar. Portanto, «a manutenção de uma capacidade militar adequada e de uma preparação clara para agir colectivamente na defesa comum, permanecem no centro dos objectivos da Aliança». [...] A dimensão militar da nossa Aliança permanece um factor essencial, mas o facto novo é que estará, mais do que nunca, ao serviço de um conceito amplo de segurança». Desta maneira, fundamentalmente, a Aliança Atlântica torna a definir o seu papel, de acordo com as linhas traçadas pelos USA.

Neste período, Washington olha com preocupação, o que se está a passar no outro lado do Atlântico: a cimeira de Maastricht, em 11 de Dezembro de 1991, decide, de facto, que a nova Europa deverá definir, a par e passo com a unificação económica e política, uma política de defesa comum no quadro da União da Europa Ocidental (UEO). Fundada em 1954, a UEO – à qual aderem os seguintes países: Bélgica, França, Alemanha, Grã Bretanha, Itália, Luxemburgo, Países Baixos, Portugal e Espanha – tem tido, até este momento, tarefas secundárias. Entretanto, a França e a Alemanha, com a intenção de adquirir maior peso, não só no âmbito europeu, mas também a escala mundial – apoiam calorosamente a rápida formação de uma força armada europeia. O projecto é visto com suspeita e hostilidade pelos Estados Unidos, os quais temem que o nascimento de uma defesa comum europeia possa abrandar a convergência atlântica e, consequentemente, a influência americana na Europa.
A seguir: 

4.6  A intervenção da NATO na crise balcânica e a guerra contra a Jugoslávia
Tradutora: Maria Luísa de Vasconcellos

No comments:

Post a Comment

Note: Only a member of this blog may post a comment.

Manifestações

2007 Speech

UKRAINE ON FIRE

Discurso do Presidente da Rússia, Vladimir Putin, na manhã do dia 24 de Fevereiro de 2022

Discurso do Presidente da Rússia, Vladimir Putin, Tradução em português




Presidente da Rússia, Vladimir Putin: Cidadãos da Rússia, Amigos,

Considero ser necessário falar hoje, de novo, sobre os trágicos acontecimentos em Donbass e sobre os aspectos mais importantes de garantir a segurança da Rússia.

Começarei com o que disse no meu discurso de 21 de Fevereiro de 2022. Falei sobre as nossas maiores responsabilidades e preocupações e sobre as ameaças fundamentais que os irresponsáveis políticos ocidentais criaram à Rússia de forma continuada, com rudeza e sem cerimónias, de ano para ano. Refiro-me à expansão da NATO para Leste, que está a aproximar cada vez mais as suas infraestruturas militares da fronteira russa.

É um facto que, durante os últimos 30 anos, temos tentado pacientemente chegar a um acordo com os principais países NATO, relativamente aos princípios de uma segurança igual e indivisível, na Europa. Em resposta às nossas propostas, enfrentámos invariavelmente, ou engano cínico e mentiras, ou tentativas de pressão e de chantagem, enquanto a aliança do Atlântico Norte continuou a expandir-se, apesar dos nossos protestos e preocupações. A sua máquina militar está em movimento e, como disse, aproxima-se da nossa fronteira.

Porque é que isto está a acontecer? De onde veio esta forma insolente de falar que atinge o máximo do seu excepcionalismo, infalibilidade e permissividade? Qual é a explicação para esta atitude de desprezo e desdém pelos nossos interesses e exigências absolutamente legítimas?

Read more

ARRIVING IN CHINA

Ver a imagem de origem

APPEAL


APPEAL TO THE LEADERS OF THE NINE NUCLEAR WEAPONS' STATES

(China, France, India, Israel, North Korea, Pakistan, Russia, the United Kingdom and the United States)

中文 DEUTSCH ENGLISH FRANÇAIS ITALIAN PORTUGUESE RUSSIAN SPANISH ROMÂNA

manlio + maria

MOON OF SHANGHAI site

LR on CORONAVIRUS

LARRY ROMANOFF on CORONAVIRUS

Read more at Moon of Shanghai

World Intellectual Property Day (or Happy Birthday WIPO) - Spruson ...


Moon of Shanghai

L Romanoff

Larry Romanoff,

contributing author

to Cynthia McKinney's new COVID-19 anthology

'When China Sneezes'

When China Sneezes: From the Coronavirus Lockdown to the Global Politico-Economic Crisis

manlio

James Bacque

BYOBLU

irmãos de armas


Subtitled in PT, RO, SP

Click upon CC and choose your language.


manlio

VP




Before the Presidential Address to the Federal Assembly.



The President of Russia delivered
the Address to the Federal Assembly. The ceremony took
place at the Manezh Central Exhibition Hall.


January
15, 2020


vp

President of Russia Vladimir Putin:

Address to the Nation

Address to the Nation.

READ HERE


brics


Imagem

PT -- VLADIMIR PUTIN na Sessão plenária do Fórum Económico Oriental

Excertos da transcrição da sessão plenária do Fórum Económico Oriental

THE PUTIN INTERVIEWS


The Putin Interviews
by Oliver Stone (
FULL VIDEOS) EN/RU/SP/FR/IT/CH


http://tributetoapresident.blogspot.com/2018/07/the-putin-interviews-by-oliver-stone.html




TRIBUTE TO A PRESIDENT


NA PRMEIRA PESSOA

Um auto retrato surpreendentemente sincero do Presidente da Rússia, Vladimir Putin

CONTEÚDO

Prefácio

Personagens Principais em 'Na Primeira Pessoa'

Parte Um: O Filho

Parte Dois: O Estudante

Parte Três: O Estudante Universitário

Parte Quatro: O Jovem especialista

Parte Cinco: O Espia

Parte Seis: O Democrata

Parte Sete: O Burocrata

Parte Oito: O Homem de Família

Parte Nove: O Político

Apêndice: A Rússia na Viragem do Milénio


contaminação nos Açores



Subtitled in EN/PT

Click upon the small wheel at the right side of the video and choose your language.


convegno firenze 2019